DANDI HISTÓRIA

A moda ditada pela cultura popular é sempre cíclica nos seus avanços e recuos. O que hoje é novidade já o foi noutra década, noutro tempo e contexto.

O que nos torna únicos? O que nos distingue?

A resposta estará algures entre a reinterpretação das nossas raízes e a projecção dos nossos desejos.

A Dândi foi fundada em 2012 pelos irmãos Clara Melo de Carvalho e Edson Vilhena de Carvalho. Inicialmente, e ainda sem marca própria, abriram uma loja em Lisboa com o objectivo de promover o potencial das marcas e designers Portugueses.

No ano seguinte, Clara cria a sua primeira colecção de autor. Nascida em Angola, Clara está radicada em Portugal desde a infância e desenvolveu a sua criatividade e sentido estético no encontro destas duas culturas, procurando a harmonia dos padrões e tradições africanas com o corte e a modernidade europeia. É essa a essência da marca Dândi, um mosaico de influências que se cruzam de uma forma pessoal mas transmissível a todos os que procuram peças únicas e intemporais.

A inspiração para o nome da marca vem do movimento Dândi que surge no século XIX na Europa e mais tarde em África como contraponto à ideia de que a elegância era propriedade exclusiva da nobreza.

A partir de tecidos originários de África e da Europa, Clara Melo de Carvalho desenvolve cada colecção com a premissa de que a moda é sobre todos e tanto tem lugar na rua como na passerele, na cidade ou no musseque.

Para a Dândi a moda é o reflexo no espelho. É o complemento da nossa identidade que conjuga na medida certa a elegância e o conforto, a regra e a transgressão.

MARCA & ESTILISTA

“A “moda”nunca foi o meu forte” confessa Clara.

Mais do que a última tendência ou desfile, é a sensibilidade estética que guia as suas criações. Em criança passava horas a costurar vestidos para as bonecas, hoje olha para as ruas e inspira-se em quem passa, deixando a sua imaginaçao fluir.

Se lhe perguntarem não saberá dizer se é mais portuguesa ou angolana. Cresceu entre as duas culturas, misturando-as instintivamente no trabalho e na vida:“Os cortes das minhas roupas são clássicos, os padrões são exóticos, as cores são as duas coisas“.

Clara assume a Dândi como o projecto da sua vida mas a sua criatividade e interesses tomam múltiplas formas. Imagina novas texturas, padrões e cores para virar o seu Mundo do avesso porque, nas suas palavras, “estar na moda deve ser uma grande chatice”.